Passar para o Conteúdo Principal
Logótipo CM Vagos

Igreja Matriz de Soza

Soza(site)A igreja paroquial de Soza está identificada como igreja de Sanctus Michael de Soza desde 1229, sendo descrita no Rol das igrejas do bispado de Coimbra.

Tem a particularidade de ter tido dois padroados, um primeiro instituído à Ordem de Rocamador pelo rei D. Sacho I em 1193, confirmado por D. Afonso II em Coimbra, em 1218, e um segundo instituído por D. Afonso V à Ordem de São Tiago como Comenda perpétua da mesma, pela doação feita a João de Sousa, o Romanisco, que mais tarde, por descendência, passaria para administração da Casa de Lafões.

Foi a mais importante e rendosa igreja do concelho de Vagos, tendo sucessivas reedificações datando, a última, da segunda metade do século XVI, obras que terão terminado em 1693, pela data inscrita no coro alto interior. Conserva uma "imagem milagrosa de Cristo crucificado" em capela instituída pelo Padre Francisco de Pavia, em 1629, data gravada no pedestal de uma coluna no interior. O primitivo retábulo da capela-mor, em calcário, seria trabalho da renascença Coimbrã, onde figuraria o relevo com a imagem de São Miguel, atualmente na fachada traseira da igreja. Do culto a Nossa Senhora de Rocamador subsistem duas imagens, uma gótica (século XIV) e outra renascentista (século XVI), ambas em calcário policromado, assim como uma imagem de Santa Luzia.

Em 1747, foi aplicado o retábulo em talha dourada da capela-mor e feita a imagem de São Miguel em barro policromado.

Em 1971, sofreu profunda obra de requalificação, com projeto da arquiteta Maria Adosinda Gamelas de Albuquerque, de 1967, que encurtou a capela-mor, forrou as paredes da nave a azulejo e lhe fez desaparecer o património móvel integrado, retirando-se os cinco retábulos de talha dourada e apeando-se o púlpito, reconvertido em mesa de celebração no presbitério, obra que decorreu até 1974.

No largo fronteiro à traseira da igreja, existe um cruzeiro-charola maneirista em pedra calcária, datado de 1659, decorado na cúpula semicircular com símbolos da crucificação em tondos circulares, e de entablamento decorado com querubins em alto-relevo, resguardando a imagem policromada de Cristo crucificado. Este cruzeiro é conhecido como de Nossa Senhora dos Anjos (por ter existido, junto, uma desaparecida capela desta invocação), ou de Maria Tomé, a encomendante do cruzeiro. Dele se contam duas hipóteses de voto: um, que Maria Tomé o construiu como agradecimento pelo milagre da Restauração da Independência de Portugal; outro, que Maria Tomé, vítima de uma epidemia, se levantou do esquife antes de ser sepultada na capela fronteira de Nossa Senhora dos Anjos.

O pedestal do cruzeiro tem inscrito: “Maria Thome mandov feazer esta charola por sva devasam 1659.”

A paróquia de Soza é constituída pelos lugares de Soza, Boco, Salgueiro, Fontão, Lavandeira, Fareja e Pedricosa.

A festa em honra de Nossa Senhora dos Anjos é celebrada no primeiro domingo de setembro e a festa em honra de São Miguel no último fim de semana de setembro.